quarta-feira, 19 de outubro de 2011

PMBOK v5: 6.6 Desenvolver Cronograma do Projeto


Desenvolver o cronograma do projeto consiste no processo de análise das sequências de atividades, suas durações, recursos necessários e restrições do cronograma com o objetivo de criar um calendário realista para as atividades do projeto e que possa ser usado como a linha base de calendário.

Criar o cronograma do projeto consiste em determinar as datas de início e de fim para cada uma das atividades do projeto. Se essas datas não forem realísticas é improvável que o projeto cumpra o calendário e termine na data planeada.
À semelhança, e em conjunto, com o processo de determinação da duração das atividades, o desenvolvimento do cronograma do projeto é um processo interativo e de elaboração progressiva, e que vai sendo melhorado à medida que é incorporado conhecimento adicional.

O processo de revisão do cronograma do projeto deve acompanhar toda a fase de execução do projeto pois só assim é possível ter, ao longo de todo o projeto, um cronograma realista.

Assim o objetivo final do processo 6.6 Desenvolver o Cronograma do Projeto é o de obter um calendário que:

  • Retrate a realidade das atividades do projeto
  • Seja baseado em estimativas realistas e confiáveis;
  • Que entre em consideração com os recursos que estão disponíveis para a execução das diversas atividades, e com;
  • As demais restrições com impacto na janela de tempo que fica disponível para a realização de alguma ou várias das atividades do projeto.
Essas restrições podem ser, por exemplo: Datas impostas pelo negócio (aquilo que em inglês é chamado de time-to-market; datas acordadas com o patrocinador do projeto, com o cliente ou com as outras partes interessadas no projeto; restrições externas (condições climáticas, governo e normas e regulamentos); prazo de entrega e níveis de serviço negociados com os fornecedores.

Para o desenvolvimento do cronograma do projeto recorre-se a informação constante no documento de âmbito / escopo do projeto, a informação de contexto em relação à empresa na qual o projeto se realiza, e á informação que é disponibilizada por vários outros processos que, a montante, integram a área de conhecimento Gestão do Tempo do Projeto.





Os resultados do processo contribuem para a atualização de múltiplos documentos do projeto dos quais os mais importantes são: Atualização dos requisitos de recursos, Atualização dos atributos das atividades, Atualização do calendário do projeto, Atualização do plano de gestão do projeto e atualização do plano de gestão do calendário.

A Importância do Caminho Crítico

Em termos de ferramentas e técnicas, o processo de desenvolvimento do cronograma do projeto é um dos processos constantes no PMBOK que utiliza um maior número de ferramentas e técnicas para a obtenção dos resultados desejados. Dentre essas técnicas as mais importantes é o Método de determinação do Caminho Crítico (CPM Critical Path Method).

Como se disse em artigo anterior, o processo de criação do cronograma do projeto passa por duas fases: 1) Criação do calendário ideal; 2) Inclusão das disponibilidades de recursos e das várias restrições com impacto no calendário, de forma a criar o cronograma realista do projeto.

A criação de um cronograma realista obriga a que nos preocupemos com o caminho crítico, ou com os caminhos críticos do projeto. O caminho crítico, é definido pela cadeia / sequência de atividades do projeto que não têm folga, em relação às datas de início e de término.

Nos projetos, algumas atividades são flexíveis em relação ao seu início e término, e outras não o são. As atividades que não têm margem de flexibilidade são chamadas de atividades críticas. A sequência dessas atividades, no cronograma do projeto, é o caminho crítico do projeto.

O caminho crítico é, portanto, a sequência de atividades de maior duração do projeto e, nessa medida, é ele que define a data de fim do projeto. Todos os projetos têm um, ou mais caminhos críticos.

Das atividades que ficam no caminho crítico diz-se que não têm margem de flutuação, o que quer dizer que, qualquer atraso em alguma dessas atividades, terá sempre repercussões em termos de atraso na conclusão do projeto.

Uma conclusão óbvia, da definição de caminho crítico, é que é de extrema importância que o gestor de projeto, vigie e controle as atividades que integram esse caminho crítico, de forma minimizar o risco de o projeto sofrer atrasos;

Outra conclusão é que, à medida que o projeto decorre, e determinadas atividades se atrasam, adiantam, ou têm de ser recalendarizadas, o caminho crítico pode mudar, pelo que é fundamental que o gestor de projeto mantenha atualizado o cronograma do projeto de forma a poder aperceber-se dessas alterações. Se isso não acontecer, se o gestor de projeto não se der conta das mudanças que vão acontecendo no caminho crítico, provavelmente acabará a gastar tempo e recursos tentando resolver problemas que são de menor importância (isto é, não afetam as atividades do caminho critico) deixando de lado os problemas que de fato interessam.

Uma terceira conclusão, talvez menos óbvia, é que o gestor de projeto não deve preocupar-se só com o caminho crítico, devendo igualmente preocupar-se com os caminhos quase críticos, pois estes transformam-se rapidamente, caso alguma coisa corra mal, em caminhos críticos.

O cálculo do caminho critica, ou dos caminhos críticos, de um projeto exige alguns cálculos que são simples mas que, dependendo da dimensão do projeto podem ser bastante trabalhosos. Felizmente todos os softwares de suporte à gestão de projeto permitem o cálculo e a atualização automática do caminho crítico usando o método CPM (Critical Path Method).

Em artigo posterior iremos apresentar com algum detalhe o método de cálculo do caminho crítico. Por agora importa unicamente dizer que esse método de cálculo (CPM) consiste na execução de dois tipos distintos de manipulação do calendário do projeto – análise para a frente (forward pass) e análise para trás (backward pass). Estes dois processos permitem calcular as datas mais cedo e mais tarde para o início de cada uma das atividades do projeto (análise para a frente), e as datas mais cedo e mais tarde para terminar cada uma das atividades (análise para trás).
  
O gráfico seguinte apresenta o diagrama de Entradas e Resultados do processo 6.6 Desenvolver o Cronograma do Projeto


 
6.6 Desenvolver o Cronograma do Projeto.
Entradas
Ferramentas e Técnicas
Resultados
Lista de atividades
Análise do calendário de rede
Cronograma do projeto
Atributos das atividades
Linha base do cronograma
Diagrama de rede do Cronograma do projeto
Dados do cronograma
Requisitos de recursos das atividades
Atualizações dos documentos de projeto
Calendário dos recursos
Análise de Cenários Alternativos (E – Se)

Estimativa da duração das atividades
Ajustar antecipações e esperas






  Artigo atualizado em 01-Fev-2016 

Nenhum comentário: